Percorrer a cidade

Voltamos a passear pelas cidades com a preocupação da qualificação dos ambientes, para os residentes e turistas, tão importante para a recuperação da economia das regiões.

Para conseguirmos que as cidades criem desejo a serem percorridas em ambientes seguros e com confiança sanitária, teremos de atender a diversos processos essenciais, promovendo a conexão dos ambientes e percursos, independentemente da sua importância ou características, como primeira e essencial necessidade para que consigamos o seu acesso.

A forma como chegamos ao percurso é o mais importante para o podermos percorrer.

Os parques de estacionamento “provisórios” para eventos pontuais, são muitas vezes aproveitados, mas para a criação estruturada de percursos ou caminhos a serem percorridos, exigem uma importante relação com o serviço de autocarros, táxis, estacionamento auto (nas cidades aplicáveis o metro), por forma a que todos os usuários possam ter acesso e utilizem.

A preocupação na construção do caminho/percurso/rota com o aproveitamento de cadeiras de rodas, invisuais, daltónicos e idosos, necessita de apoio das infraestruturas que referimos. Precisamos portanto de um planeamento integrado, com respeito pelas normas de distanciamento em vigor e ajustamento benigno da oferta á procura, que não é mais do que a sincronização de todas as alternativas de transporte, para podermos desfrutar a cidade com segurança mesmo que com capacidade restrita.

Na projeção da distância do percurso, deveremos ter atenção também no facto de os idosos se poderem cansar mais, necessitarem de um WC, bebidas e de um transporte de regresso, pelo que estas estruturas terão que estar presentes nas distâncias aconselhadas e mantendo o elevado grau de segurança e confiança sanitária.
Com estas particularidades aplicadas, conseguimos os benefícios: sociais, económicos, ambientais e individuais/sanitários.
Teremos consequentemente a criação de centros para Turismo com capacidade de promover áreas comerciais, oferecendo ao utente um lugar para comer, passear, descansar ou descontrair.

Com o aumento da atratividade do ambiente, refletindo os benefícios na redução de tráfego, normas de distanciamento, poluição e acidentes (estatisticamente os pedestres têm menos acidentes que os motoristas e ciclistas), com a criação de áreas acessíveis que levem os usuários às margens de um rio e à natureza num parque, são conhecidos os proveitos para a saúde mental, oferecendo a oportunidade de exercício físico gratuito e fácil.

andar a pe 2
A importância e necessidade de um projeto de Wayfinding, identificando os espaços, direcionando o fluxo de tráfego e otimizando a navegação, assumindo a sinalização nestes percursos e ciclovias, garantindo que os utentes e turistas não podem visitar ou circular pelas cidades através de sinais de estacionamento e semáforos.

Carlos Mateus, 2021

Categorias OPINIÃO

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close